Arquivos
 01/04/2006 a 30/04/2006
 01/03/2006 a 31/03/2006
 01/02/2006 a 28/02/2006
 01/01/2006 a 31/01/2006
 01/12/2005 a 31/12/2005
 01/11/2005 a 30/11/2005
 01/10/2005 a 31/10/2005
 01/09/2005 a 30/09/2005
 01/08/2005 a 31/08/2005

Categorias
Todas as mensagens
 piu poemoso
 piu profundo
 pura patifaria
 piu crítico
 piu por aí

Outros links
 meu currículo Lattes
 sean
 larissa
 träsel
 clarissa
 nei duclós
 raquel
 thelma
 douglas
 bruno galera
 carol
 saulo
 homera
 ederson
 xiru
 cassia
 rodrigo müzell
 fernando
 reges
 rodrigo vianna
 tattiana
 mirella
 adriana
 gabriel
 cauê
 vitor
 graziana
 rogério santos
 dênis de moraes
 américo de sousa
 mauro castro
 dan gillmor
 antónio granado
 victor gentilli
 daniel conrado
 ana
 tambosi





Patifaria: filosofia barata de uma pinta debochada
 


me mudei


 

estou me mudando para o blogger. lá é mais fácil postar. é mais descomplicado e tem menos regras. logo, podemos patifar mais.

 

peço aos amigos a gentileza de atualizar meu link para http://marciabenetti.blogspot.com

 

espero por vocês aqui. não me deixem sozinha, eu sou apenas uma pintinha. piu piu.

 



Categoria: piu por aí
Escrito por marcia às 21h25
[] [envie esta mensagem
]





popozuda do senhor


 

eu sempre fico comovida quando vejo uma mulher lutando pelo coração do homem que ama. ainda mais quando é um amor, assim, midiático. um amor que, embora certamente preferisse viver estes momentos difíceis em total reclusão, aceita a dor e o fardo de se expor publicamente.

 

 

a Carla Perez tinha se separado do Xanddy. achei mesmo que um cara com este nome merecia ser abandonado, mas parece que foi ele que deu no pé. agora leio no UOL que eles reataram. que coisa inimaginável, e logo num domingo sem notícias. eles anunciaram a-volta-dos-que-não-foram no programa do Gugu, no SBT. ora, que surpreendente. será que esta xanddyce foi coisa dos coleguinhas assessores? será?  

 

 

o mais legal foi ver a loira do Tchan convertida ao senhor: “Deus abriu nosso caminho. O que Deus uniu ninguém separa. Xanddy saiu de casa. Eu fiz a mala dele. Mas eu estava sofrendo muito. Me agarrei a Deus e lutei por ele. Tenho certeza de que foi Deus que nos uniu. Foi Ele que abriu o coração de Xanddy para ele voltar para mim. Xanddy estava querendo ficar longe de mim e eu lutei por ele. Nós saímos para conversar, eu coloquei a mão no coração dele e orei. Aí, ele começou a chorar e nós percebemos que ainda nos amamos. Quero que as mulheres lutem por quem elas amam. A mulher não tem de ter orgulho, ela tem de dizer a verdade. Dizer que ama seu homem.”

 

 

fiquei confusa. cheguei a pensar que era um programa da Igreja Universal do Reino de Deus e que a popozuda-do-senhor estava fazendo um testemunho de fé para o Edir Macedo. mas acho que era mesmo só um programa do Gugu. com gente como a gente, que sofre por amor. piu.

 



Categoria: pura patifaria
Escrito por marcia às 22h53
[] [envie esta mensagem
]





sinestesia


 

na pista, um avião imenso prestes a decolar. as turbinas atravessam os tampões de ouvido, deslocam o ar, fazem um zunido atordoante, incessante. do céu, a luz de um dia muito claro fere os olhos como dezenas de pequenas agulhas que retumbam no fundo. por dentro, um fogo queima, inclemente. um dia quente, sem vento e sem ter para onde ir. os vidros fechados, o ar escasso, uns pares de mãos ásperas fechando na sua garganta.

 

e tudo isso não é nada. é apenas uma gripe muito forte.

 



Categoria: pura patifaria
Escrito por marcia às 19h30
[] [envie esta mensagem
]





mais do mesmo


 

tá, eu sei que domingo de Páscoa é um dia difícil para jornalistas. domingos, em geral, são difíceis para quem não é de esporte. e na Páscoa a coisa fica especialmente idiota. não acontece nada, além das bênçãos católicas ao redor do mundo e do consumo de chocolate. mas, quando digo que não acontece nada, quero dizer nada mesmo, como podemos ver pelos importantes títulos a seguir:

 

 

Karla Nogueira faz pegadinhas de coelho para sobrinho

 

Alexandre Barillari curte ovo de marsipan

 

Juliana Paes já pintou muito ovo de galinha na infância

 

Pedro Malta já não segue as pegadas do coelhinho

 

Carol Castro já acreditou na mamãe coelha

 

Na infância, André Marques se decepcionou com o coelho

 

 

nossa. quantas revelações. quanta experiência e quanta dor. e eu nem sabia disso tudo.

 

 



Categoria: pura patifaria
Escrito por marcia às 00h03
[] [envie esta mensagem
]





bem moderno


 

é isso que dá não saber escrever. a moça foi internada no Espírito Santo para retirar uma fístula no intestino. o médico foi lá e tirou o útero. culpa de quem? da enfermeira. segundo o diretor do hospital, em vez de escrever fistulectomia no mural — no mural —, a atrapalhada escreveu histerectomia.

 

 

mas o bom mesmo é o médico dizendo que não houve erro médico, e sim de ortografia. “Foi um problema de ortografia. Não houve erro médico propriamente dito. A cirurgia realizada na paciente foi perfeita, apenas não era a cirurgia que deveria ter sido feita”. ah, é verdade. foi só isso. um detalhe. de resto, foi tudo perfeito. que falta faz um Houaiss, né? que cou-sa.

 



Categoria: piu por aí
Escrito por marcia às 19h04
[] [envie esta mensagem
]





gauderice


 

sempre que vejo o slogan “orgulho de ser gaúcho”, espécie de praga espalhada por todos os cantos, é como se ativasse um link direto e sem escala ao movimento separatista do incansável Irton Marx. pra indiada que não teve o privilégio de nascer nesta terra de iluminados, Marx é um vereador de Santa Cruz que quer tornar o Rio Grande do Sul um estado independente. minto: quer criar a República do Pampa Gaúcho. porque gaúcho que é gaúcho tem espírito republicano, tchê.

 

 

o folder do movimento que tenho em mãos é um exemplo de altivez gaudéria. no alto, ele grita: “Esta terra tem dono! Esta terra é gaúcha! Esta terra é nossa!” ao final, pontua: “Gaúcho! Pense grande, mostre coragem e disciplina diante daqueles que não o respeitam e nem lhe dão atenção. Gaúcho, pense grande! Ajude a construir o nosso país”. sim, porque o nosso país, vocês sabem, está alienado pela televisão, a culpada de tudo: “Gaúcho, orgulha os nossos antepassados e não fique anestesiado pelo falso patriotismo brasileiro, pelos jogos da dupla Gre-Nal, pelas novelas da televisão, pelos rodeios, pagodes e outras atividades que escravizam e não o permitem raciocinar melhor”. ah, eu concordo. gaúcho que é gaúcho só pode ouvir música gaudéria, que história é essa de pagodinho? daqui a pouco vão querer ir a show de rock. e novela, então? essa pouca vergonha que mostra as chinocas com pouca roupa. nada disso. ainda se o chimarrão fosse obrigatório, mas nem isso.

 

 

a parte cristã também é boa: a que vai absolver os condenados e esvaziar a cadeia, “zerando os antecedentes criminais” dos presos. claro, muito justo. porque gaúcho que é gaúcho sabe perdoar. isso sim dá orgulho na gente, este nosso dom natural de perdoar os inferiores. mas a parte mais legal é a que foi escrita por um cachorro bêbado: “Um país que protegerá as minorias e também garantirá o futuro da maioria diante de um crescente poder de uma possível minoria”. só pode ter sido feita por  um carioca ou um baiano. porque gaúcho que é gaúcho sabe se expressar. piu.   

 



Categoria: pura patifaria
Escrito por marcia às 17h50
[] [envie esta mensagem
]





cotovelo


 

tem data mais perfeita que a Páscoa? feriadão desde sexta, bacalhau antipecado, ovinhos de chocolate e o friozinho que sempre começa a chegar. praticamente o nirvana. a única coisa que estraga são as hordas de bárbaros que invadem as lojas e os supermercados, pisam nos pés uns dos outros, enfiam-se mutuamente os cotovelos e depois saem se batendo, carregando sacolas em que nunca, nunca cabem aqueles ovos imensos e repolhudos.

 

 

entrei numa loja em busca de um chocolate em extinção. uma garota gritava algo incompreensível, subida num banquinho ínfimo, com um ovo na mão. a cinco passos, a concorrência também gritava. e como gritava. era uma espécie de leilão cafona de ovões. e ali, onde supostamente haveria clientes, estavam as formigas ensandecidas, as gralhas enlouquecidas, as mães, tias e madrinhas atordoadas, escolhendo os ovos com a delicadeza de quem escolhe batatas.

 

 

saí sem o chocolate e com a convicção de que nunca vou me acostumar com estas compras de Natal, Páscoa, dia do pai, mãe, namorado, cachorro, lagartixa. será que não dá pra ficar só com o bacalhau, o vinho, o chocolate, o frio e a boa companhia? tem mesmo que ter o cotovelo enfiado na orelha?  

 



Categoria: pura patifaria
Escrito por marcia às 00h10
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]